Rss Youtube Facebook Twitter Instagram LinkedIn
Blog AndersonBrandao.com.br

terça-feira, 22 de março de 2016

Sobre dietas Detox

Por Anderson Brandão

Dietas Detox são compostas basicamente por sopas, sucos, e alimentos ditos Detox que prometem uma série de ‘milagres’ tais como eliminar toxinas, acelerar o metabolismo e perder peso.


 
a)eliminação das toxinas: o corpo humano tem a capacidade natural de eliminar toxinas e existem órgãos responsáveis para tal finalidade – por exemplo, o fígado. Acelerar esse processo através da ‘dietas especiais’ ou outras técnicas não é necessário e pode ser extremamente danoso para o corpo humano.


b) acelerar o metabolismo: ao se analisar modelos de dieta Detox amplamente divulgados principalmente nas redes sociais  poderemos ver que são modelos hipocalóricos, que não oferecem todos os nutrientes necessários. Existem evidências científicas comprovando que uma restrição calórica severa diminui o metabolismo em vez de aumenta-lo. Além disso, o emagrecimento se dará por uma maior perda de massa muscular, deixando o metabolismo ainda mais baixo.

c) emagrecer: dietas hipocalóricas (que é o caso das dietas Detox) são muito utilizadas no modelo contemporâneo para emagrecimento. A idéia básica é  criar um balanço energético negativo, adotando-se uma alimentação em que o consumo calórico diário seja menor que o gasto energético associado ou não a programa de exercícios aeróbio, para dessa forma promover a perda de peso.

Imaginem um homem com 1,80 m de altura, pesando 100 kg e com uma TMB de 1500 kcal. TMB, ou metabolismo basal é a quantidade de calorias que o corpo humano necessita para manter o seu funcionamento (Kraemer WJ, Fleck SJ, Deschenes MR. Fisiologia do Exercício,1ra ed. Guanabara Koogan, 2013). Sim, mesmo em repouso nosso corpo gasta energia. Seguindo o raciocínio da dieta hipocalórica,  para perder peso, esse homem deveria ingerir diariamente algo em torno de 1000/1200 kcal.  Ele perderá peso mas a redução drástica do consumo calórico, diminuirá a TMB (de acordo com estudo de Weyer C, Walford RL, Harper IT, et al. Energy metabolism after 2y of energy restriction: the biosphere 2 experiment. Am J Clin Nutr. 2000) e  a diminuição da TMB dificulta o emagrecimento. Se combinar a dieta com 60 minutos de exercício aeróbico, o déficit energético será ainda maior. Também haverá perda de  peso, mas a composição corporal não irá melhorar poiar há evidências científicas indicando  que a combinação de dieta hipocalórica com exercício aeróbico, promove a perda de massa muscular, com impacto direto na TMB, diminuindo-a ainda mais.

Por outro  lado,  se esse mesmo homem adotar um modelo de emagrecimento combinando dieta normocalórica (a quantidade de calorias consumida é igual a TMB) e hiperproteica (um consumo maior de proteína) com uma rotina de exercício aeróbico e de resistência (por exemplo a musculação), o déficit calórico será garantido pelos exercícios e não pela restrição alimentar, como ocorre nas dietas hipocalóricas.

Estudos  científicos demonstram que o treino aeróbico e de resistência promovem uma melhora maior na composição corporal (perda de gordura e aumento/manutenção da massa muscular) uma vez que o metabolismo se mantem acelerado  mesmo após os exercícios  - quanto maior a intensidade maior o tempo que o metabolismo fica maior que o de repouso (vide Kraemer WJ, Volek JS, Clark KL, et al. Influence of exercise training on physiological and performance changes with weight loss in men. Med Sci Sopors Exerc. 1999).

Além disso o aumento da massa muscular faz o corpo humano gastar mais energia, aumentando a  TMB, e favorecendo a redução de  gordura ao longo do tempo. Estudos mostram que para perder gordura e evitar a perda de massa magra um déficit calórico diário de 500 a 1000 kcal promove uma redução corporal de 0,45 a 0,9 kg de gordura por semana, ou seja,  para reduzir 1kg de gordura tem que ‘queimar’ 7,700 kcal (Fulton JE, McGuire MT, Casoersen CJ, et al. Interventions for weight loss and weight gain prevention among youth current issues. Sports Med. 2001 e Whitney E, Rolfes SR. Understanding Nutrition. 2005)

Diante disso, o que explica o sucesso das dietas Detox?

Segundo Ernst, autor do estudo “Alternative detox” no jornal British Medical Bulletin 2012, não existem evidências científicas que justifiquem as técnicas usadas com o intuito de promover uma desintoxicação do organismo. Da mesma forma,  estudos comprovam que dietas restritivas não são eficazes a longo prazo. Quando a alimentação volta ao ‘normal’, a pessoa recupera o peso perdido e outros mais.

Assim a explicação é a mesma: novamente a busca por resultados rápidos, soluções pré-fabricadas para resolver um círculo vicioso de hábitos ruins criado pelas próprias pessoas:  um período de dieta descontrolada – por exemplo, no carnaval e festas de fim de ano – e uma medida desesperada para reverter a situação logo em seguida. A bola da vez é a dieta DETOX cuja única comprovação existente é o fato de ser extremamente lucrativa, com suas promessas mirabolantes.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feed